Vamos Falar de Representatividade?

Oi, meus amores! Tudo bem? ❤

Vim falar sobre um tema que está sendo muito debatido ultimamente e que ainda gera certa polêmica: representatividade.

Muita gente considera que essa briga por representatividade é “mi mi mi” e “coisa de gente chata”, e eu concordo que, infelizmente, muitas pessoas fazem essa cobrança de forma errada, tentando “cancelar” autores/produtores/etc. e taxá-los de preconceituosos quando, muitas vezes, é apenas uma questão de aprender mais sobre o tema.

Mas vamos lá, o que é representatividade e por que ela é tão importante?

Representatividade é basicamente colocar-se uma diversidade maior de pessoas em determinado espaço. Se pensarmos nas histórias mais populares, veremos que a maioria delas é protagonizada por homens e mulheres brancos, heterossexuais, sem nenhuma deficiência e dentro dos padrões de beleza. Agora, se fizermos o exercício contrário e pensarmos no mundo, quantas pessoas preencherão todos esses requisitos? É claro que boa parte preencherá um, dois ou até três, mas realmente, olhando pro lugar que vivemos, quantos possuem todas essas características ao mesmo tempo? Acho que fica bem claro o problema: a mídia (visual e impressa) retrata padrões não irreais, mas que englobam pouquíssimas pessoas. A representatividade tá aí pra mudar isso, afinal todo mundo merece “seu lugar ao sol”.

Partindo ainda do que disse no parágrafo anterior, fica claro que a representatividade abrange muitas características diferentes dos seres humanos. Algumas delas são:

Racial: no mundo existem pessoas brancas, pretas, indígenas, asiáticas (leia-se pessoas de todo o continente asiático, e não só o povo dos “olhos puxados”, grosseiramente falando), entre outras, e todas elas merecem se ver representadas.

Tipo de corpo: pessoas magras, gordas, “no padrão” etc.

Sexualidade: aqui falamos sobre pessoas heterossexuais, homossexuais, bissexuais… Enfim, vocês entenderam aonde quero chegar. Todo esse povo também quer ser enxergar na tela e nas páginas de um livro.

Identidade de gênero: pessoas cis (que se identificam com seu sexo biológico), trans (que não se identificam com seu sexo biológico), não-binárias (que não se identificam exclusivamente nem com o gênero feminino, nem com o gênero masculino), entre outras.

Pessoas com e sem deficiência: PcD e PNE (pessoa com necessidades especiais, sejam elas mentais, intelectuais ou sensoriais) estão entre os grupos menos representados ever. São praticamente os “esquecidos no churrasco”, mas também se enquadram no assunto representatividade.

E aí, qual a opinião de vocês sobre o tema? Bora debater um pouquinho! E caso eu tenha cometido algum erro ou esquecido de falar algo importante, fiquem à vontade para me corrigir. Estamos sempre aprendendo, né? ❤

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s