Resenha: Os Cadernos da Filha do Barão (Segredos Vitorianos #2), Lygia Camelo Santiago

Oi, meus amores! Como vocês estão? Hoje eu vim trazer a resenha de um super lançamento de uma autora parceira incrível. Acho que muita gente esperou por esta história, que continua a série iniciada em “Como Não Perder o Duque” (confiram a resenha aqui, caso ainda não tenham visto), então vim trazer minha opinião sobre ela pra vocês. Bora! ❤

Sinopse:

LIVRO PODE SER LIDO DE FORMA INDEPENDENTE

Uma coisa era certa para quem conhecesse a senhorita Eris Murray: se ela tivesse opção, não iria para muitas das festas para as quais era convidada, tampouco se casaria. Aos 21 anos de idade, conseguiu evitar o casamento, mas não os bailes.
Harvey Prescott era um homem de negócios. Seria o par ideal para qualquer boa moça, desde que ela não fosse da nobreza e nem almejasse um marido de muitas posses. Advogado, procurava clientes na classe à qual não pertencia para pagar as próprias contas, que seriam muito menores se seu irmão mais novo não tivesse se envolvido com jogos.
Eris sempre tinha um caderno à mão, mas seus resmungos sobre o cotidiano não traziam a si como personagem principal, mas as pessoas que faziam parte de seus dias. Seus problemas começaram quando um desses cadernos se perdeu em um baile ao qual ela não gostaria de ter ido. Sabia que precisaria agir, e rápido, quando seus textos começaram a ser postados em um periódico sob uma assinatura qualquer!
A sorte de Harvey mudara — ou, pelo menos, melhorara um pouco — ao encontrar no chão do salão de baile um caderno de anotações. Jamais teria compartilhado com o mundo as nuances da aristocracia que aqueles textos revelavam se não fosse a lucrativa sugestão do melhor amigo.
Eris não mediria esforços para resgatar seu caderno, mas Harvey talvez não o entregasse por querer, não sem antes mostrar para a menina rica a vida que cretinos como ele levavam. A proximidade entre os dois se tornaria inevitável, e, para ele, inevitável também seria a paixão que nasceria entre os dois.

Avaliação: 🌟🌟🌟🌟

“Os Cadernos da Filha do Barão” nos traz a história de Eris Murray, a melhor amiga de Lara, protagonista do livro anterior. A jovem lady não tem o apreço das senhoritas da sua classe pelos bailes e eventos sociais, nem um grande desejo de contrair matrimônio, ainda que saiba que, eventualmente, isso lhe será cobrado. O maior prazer dela está na escrita de seus diários, onde faz observações bem-humoradas, irônicas e muito sinceras sobre as pessoas que a rodeiam, sendo elas próximas ou nem tanto assim. Até aí, tudo bem; o problema começa quando perde um de seus cadernos em um baile e, logo em seguida, escritos seus começam a aparecer num jornal londrino de grande circulação. Obviamente, Eris não fica feliz em ter seus textos – secretos – roubados dessa forma, por isso começa uma investigação para descobrir a identidade do misterioso larápio, o que não demora muito a acontecer.

Harvey Prescott é um homem que nunca teve medo do trabalho duro e, com muito esforço, conseguiu se estabelecer numa boa posição como advogado, o que lhe permite uma vida razoavelmente confortável, ainda que não abastada como a da aristocracia. Seu maior problema é o irmão caçula, que vive dando-lhe dor de cabeça ao envolver-se com jogos e prostitutas, contraindo dívidas que não tem a menor condição de pagar. Aí para quem acaba sobrando o pato? Isso mesmo: para ele! No entanto, a sorte começa a lhe sorrir quando encontra um caderninho perdido, recheado de textos que o prendem desde o primeiro parágrafo. Tudo poderia ficar como um delicioso passatempo, se o casal de melhores amigos de Harvey, dono de jornal, não se mostrasse tão interessado nos escritos e, o melhor de tudo, disposto a pagar uma soma razoável de dinheiro por eles. Dinheiro mais do que bem-vindo nesse momento difícil, em que precisa saldar os débitos do irmão antes que perca os dentes ou coisa pior para os cobradores. Só que a verdadeira dona do caderninho não tarda a bater à sua porta em busca do que lhe pertence…

Pode não parecer, mas mesmo se aproveitando do “tesouro literário” de outra pessoa – apenas por desespero, que isso fique bem claro –, Harvey é um homem honesto, por isso sente-se na obrigação de devolver o bendito caderninho, por mais custoso que isso lhe possa ser. Isso não significa que seja justo com o mundo um talento tão especial como o de Eris ser “desperdiçado”, enquanto ela mantém seus textos apenas para si, portanto, quando seus amigos mostram o desejo de continuar a publicação dos escritos, ele dá um jeito de convencer a lady a prosseguir mandando-os para eles. E assim, Harvey e Eris acabam mantendo contato e, aos poucos, descobrindo que sentem-se muito bem na companhia um do outro, apesar de viverem em mundos completamente diferentes. Já o que acontece a partir daí, terão que ler para descobrir.

Eu gostei muito desta história porque ela foge ao usual, trazendo uma mocinha aristocrata e um mocinho da classe trabalhadora. É bem comum vermos mocinhas que levam vidas mais humildes ascenderem socialmente ao casarem-se com um lorde, mas o contrário é bem raro, afinal, naquela época, para casar-se com alguém abaixo de sua classe, as mulheres tinham que abrir mão de inúmeros privilégios (a única outra personagem que me lembro de ver fazendo isso foi a Diana Highwood, protagonista de “A Bela e o Ferreiro”, conto da série Spindle Cove, escrita pela Tessa Dare). Adorei a forma como isso foi abordado aqui, sobretudo nos capítulos finais do livro. Terminei a leitura com o coração aquecido.

Eu já era fã da escrita da Lygia, super fluida e agradável, o que se manteve aqui, mesmo com o desafio adicional de escrever os textos da Eris, por isso ela merece os parabéns. Minha única reclamação (que não é segredo pra Lygia e, talvez, seja algo com o qual apenas eu me importe) é que senti falta de ler os primeiros escritos da Eris, aqueles que despertaram o interesse de Harvey. Mas tirando esse detalhe, gostei de tudo e super recomendo a leitura. Não se arrependerão de dar uma chance ao livro, a única tristeza será esperar os próximos volumes, que contarão a história de personagens secundários pelos quais, tenho certeza, vocês se apaixonarão tanto quanto eu.

Por enquanto, “Os Cadernos da Filha do Barão” está disponível apenas em e-book na Amazon, mas podem aguardar que, em breve, sairá o físico pela editora Freya. Link de compra: https://amzn.to/36vvuWL.

E aí, gostaram de conhecer esta história? Espero que sim. Se lerem, voltem aqui para me contar o que acharam. Obrigada pela visita, beijos e até o próximo post! 😘😘😘

2 comentários sobre “Resenha: Os Cadernos da Filha do Barão (Segredos Vitorianos #2), Lygia Camelo Santiago

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s